Autocrítica é manifestação tácita de altruísmo.

Ponto cego de luz


mais uma vez a loucura me serve de norte
fantástico forte
contra os ataques dessa lucidez de morte

por sorte, rasgo um largo corte no tino
cortina obscura do quarto onde crio
rasa, criados-mudos vazios

no vasto ponto cego de luz
vazo da cômoda surdez
para o quarto de hora que me resta

embora dispersa nas arestas do agora
algo me sobra
do outrora débil e sem fundos

então me afundo, nítida
pra fora do abismo
da lucidez fosca e ferida

sou suicida, pronta pra entender a vida
tão atrevida quanto capaz
quero apenas a paz da poesia
louca e fugaz